Amazonas pode ficar sem oxigênio: “Estamos entrando em uma situação dramática”, diz governador

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print

O governador Wilson Lima anunciou, neste domingo (10/01), que o Governo do Estado montou uma força-tarefa para ampliar o abastecimento de oxigênio na rede estadual de saúde. Entre as medidas, está o apoio das Forças Armadas no transporte do insumo de outros estados para o Amazonas, além da preparação de um chamamento público para implantação de miniusinas de oxigênio.

O plano foi detalhado em reunião do Comitê de Enfrentamento da Covid-19, neste domingo. Wilson Lima também divulgou em suas redes sociais que o momento é dramático, tendo em vista a incapacidade dos fornecedores de oxigênio locais atenderem a demanda crescente do Estado, em decorrência da ampliação de leitos Covid-19, que saltou 134%, de 457 para 1.164 leitos.  

“Estamos entrando em uma situação dramática. Por isso, o Estado está mobilizando uma operação junto com o Exército, para trazer cilindros de oxigênio de Guarulhos, em São Paulo, estudando a montagem de miniusinas de oxigênio e também estou pedindo a ajuda dos demais estados para que identifiquem empresas que possam fornecer esse produto ao Amazonas. Nós temos dinheiro em caixa, mas não conseguimos comprar o produto aqui na região”, disse o governador Wilson Lima.  

O volume de oxigênio líquido contratado pelo Governo do Amazonas na pandemia, na área da saúde, passou de 176 mil para 850 mil metros cúbicos por mês. Um acréscimo de 382,9%. 

 

Apoio

 

Entre sexta-feira (08/01) e este domingo (10/01), 350 cilindros de oxigênio, que equivalem a 24,5 toneladas do produto, desembarcaram de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), em Manaus, vindos de Belém-PA. Duzentos deles chegaram na tarde deste domingo, sendo que uma parte tem como destino o interior.

Ainda neste domingo, está sendo aguardada uma remessa de isotanques com 30 mil metros cúbicos de oxigênio da empresa White Martins vindos de São Paulo em avião da FAB. A carga tinha embarque previsto para sair às 16h do aeroporto de Guarulhos e está sendo esperada nas próximas horas. 

Outros 150 cilindros embarcaram neste domingo de Brasília e a empresa aguarda uma carga de 50 mil metros cúbicos, que embarcaram em balsa no sábado, de Belém para Manaus.

Na sexta-feira (08/01), o Governo do Amazonas fez a requisição administrativa de oxigênio de uma segunda empresa do ramo. A medida garante o fornecimento de 6.800 metros cúbicos de oxigênio para a rede pública.

Outra medida determinada pelo governador Wilson Lima é a abertura de chamamento público para aquisição de miniusinas de oxigênio. Medida que garante autonomia de oxigênio para os hospitais.

Mais leitos e apelo

Wilson Lima destacou o trabalho de ampliação da rede de assistência no enfrentamento da pandemia.

“Nós estamos abrindo leitos praticamente todos os dias, foram mais de 600 nos últimos dois meses e estamos reabrindo o Hospital da Nilton Lins, mas essas ações não têm sido suficientes para atender a todos os pacientes que procuram os hospitais públicos do nosso estado”, destacou o governador ao afirmar que, além da abertura de leitos, é preciso frear a curva de contágio do novo coronavírus. 

Ele reforçou o apelo à população.

“Meus amigos, eu apelo mais uma vez, enquanto o Estado está trabalhando para abrir leitos, diminuir o sofrimento do povo, é importante que cada um faça a sua parte. Só saia de casa se for urgente, se for imprescindível. Nós estamos numa guerra e só vamos conseguir vencer essa guerra se todos nós estivermos unidos”, destacou o governador. 

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print