Governo contratará 274 médicos no Amazonas com salário de até R$ 15,8 mil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), mediante chamamento público, está convocando 274 médicos para atuar na linha de frente de combate à Covid-19, em unidades da rede estadual de Saúde, como o Hospital Nilton Lins e Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV). A ação emergencial da Secretaria, conforme o Edital de Chamamento Público nº 001/2021, prevê remuneração mensal de até R$ 15,8 mil.

São cem vagas de médicos generalistas e 174 intensivistas. As inscrições estão abertas e devem ser realizadas por meio do link http://www.saude.am.gov.br/servico/pss_2021_01.php.

De acordo com o chefe do Departamento de Gestão de Recursos Humanos (DGRH) da SES-AM, Mário Mendonça Júnior, o contrato imediato será realizado dentro do regime temporário por 30 dias, prorrogável enquanto durar o decreto de calamidade pública.

“Então a gente está buscando fazer isso o mais rápido possível, convocando todos os médicos para que possam trabalhar junto com a gente na linha de frente”, afirmou o chefe do Departamento.

Remuneração

Conforme o edital publicado no site da SES, os médicos generalistas receberão R$ 12.030,00 por 10 plantões, enquanto os médicos intensivistas contratados receberão R$ 15.830,50 pelos 10 plantões cumpridos no mês.

Com o chamamento, a SES espera reforçar o atendimento com a abertura de leitos e conta com a participação do maior número de médicos possível, conforme explicou o chefe do setor.

“Eu sei que vocês já são guerreiros, vocês já estão dando o máximo de sei. Mas eu convoco aqueles também que anda não aderiram a nossa luta, que venham lutar junto com a gente, que venham participar dessa guerra de enfrentamento à Covid”, disse Mário.

O candidato à vaga não pode ter mais de 60 anos, ser gestante e nem ser portador de doença crônica descompensada, que possa ser classificado como grupo de risco da Covid-19. É obrigatória a formação e habilitação na área pretendida, além do registro profissional ativo.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print