Família de Malcolm X pede para reabrir investigação sobre seu assassinato

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print
Malcolm X (à dir.) ao lado de Martin Luther King Jr. - 6.mar.1964/AFP

As filhas do ex-membro do Partido dos Panteras Negras, Malcolm X, pediram que a investigação sobre seu assassinato seja reaberta à luz de novos depoimentos envolvendo a Polícia de Nova York e o FBI (polícia federal americana), conforme a matéria da Folha de S. Paulo.

Consultado pela agência de notícias AFP neste domingo (21), um porta-voz da procuradoria de Manhattan disse que o “exame” do recurso estava “em andamento”.

Durante entrevista coletiva, foi apresentada uma carta escrita por um ex-policial de Nova York, já morto, em que ele acusa a polícia e o FBI de serem cúmplices no assassinato.

Segundo seu primo, o agente, que era negro e trabalhava disfarçado, afirma ter se aproximado, a pedido de seus superiores, da comitiva de Malcolm X e ter capturado dois de seus guarda-costas, presos poucos dias antes do assassinato.

Em 21 de fevereiro de 1965, El-Hajj Malik El-Shabazz, nome verdadeiro de Malcolm X, estava sem seus dois guarda-costas quando apareceu para um discurso no Audubon Ballroom, um salão de apresentações em Manhattan, antes de ser atingido por três atiradores.

De maneira mais geral, o ex-policial, que queria que seu depoimento se tornasse público apenas após sua morte, alega que a Polícia de Nova York (NYPD) e o FBI mantiveram certos aspectos do caso em segredo.

Em fevereiro de 2020, após o lançamento do documentário da Netflix “Quem matou Malcolm X?”, o procurador de Manhattan, Cyrus Vance, pediu a suas equipes que analisassem o caso para determinar se a investigação deveria ser reaberta ou não.

Procurada neste domingo pela AFP, a Polícia de Nova York informou que comunicou ao Ministério Público “todos os autos relativos a este caso”. A NYPD “está disposta a contribuir para esta revisão de qualquer maneira”, disse.

Já o escritório do FBI em Nova York não respondeu à AFP.

“Qualquer coisa que esclareça esta terrível tragédia deve ser considerada com cuidado”, afirmou Ilyasah Shabazz, uma das três filhas de Macolm X, presente na entrevista coletiva.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print