Justiça Eleitoral pune Amazonino Mendes por propaganda irregular contra David Almeida

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print

A Justiça Eleitoral determinou a remoção imediata de propaganda eleitoral do candidato a prefeito de Manaus Amazonino Mendes (Podemos) contra David Almeida (Avante). David alegou que a inserção de 31 segundos veiculada na manhã de sexta-feira, 20, que o acusa de ser um “erro”, como foram o ex-governador José Melo e o atual Wilson Lima, que supostamente seriam seus apoiadores ocultos no pleito.

Nos autos da decisão, consta a transcrição da narração do vídeo transmitido no horário eleitoral gratuito. “Narrador: Nos enganamos com Melo. MELO. Nos enganamos com Wilson Lima. WILSON LIMA. Vamos nos enganar outra vez? VAMOS NOS ENGANAR OUTRA VEZ. Desta vez, não! Vote Amazonino, o verdadeiro candidato do povo”, diz.

David argumenta que a propaganda não fez qualquer crítica administrativa, sendo usada apenas para fazer ataques para desconstrução da imagem do adversário.

Por isso, pede concessão liminar de antecipação de tutela para ordenar que a propaganda não seja mais transmitida, sob pena de aplicação de multa de R$50 mil por descumprimento. Solicitou também que, por terem produzido o programa eleitoral para lhe difamar, percam o direito de veicular propaganda no horário eleitoral gratuito do dia seguinte à decisão.

Na decisão, o juiz coordenador da Propaganda Eleitoral Alexandre Novaes de Araújo afirma que é possível entender que houve associação de David a gestores envolvidos em escândalos para prejudicá-lo. “Com efeito, da análise dos autos é possível inferir ter ocorrido a associação do candidato concorrente a um ex-governador (José Melo) e ao atual governador deste Estado (Wilson Lima), que tiveram seus nomes envolvidos em escândalos recentes na história amazonense, de forma a minimizá-lo como uma mera continuação da prática de supostos atos de corrupção e de improbidades administrativas”, diz.

O juiz considera que restam apenas seis dias para o término do horário eleitoral e que os candidatos não devem repetir nos dias restantes a propaganda irregular promovida já no primeiro dia de suas inserções. Por isso, determina que a propaganda seja interrompida imediatamente, até o julgamento do mérito da demanda, sob pena de aplicação de multa, mas de R$40 mil por descumprimento.

 

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print