Polícia alerta para fraudes em postos de gasolina e diferença de valor por bandeira do cartão de pagamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da Delegacia Especializada em Crimes Contra o Consumidor (Decon), sob coordenação do delegado Eduardo Paixão, alerta a população sobre as crescentes denúncias de golpes em postos de gasolina, no qual o frentista abastece o veículo com combustível aditivado sem comunicar o condutor.

Segundo o delegado Eduardo Paixão, as vítimas só se dão conta do ocorrido quando o pagamento é efetuado. “Em outras situações, as vítimas chegam a questionar o frentista quando identificam a fraude, mas recebem a desculpa de que foi um engano”, explica o delegado.

A autoridade policial reforça que essa prática é recorrente e, em alguns casos, a orientação parte da gerência dos postos, pois a gasolina aditivada tem prazo de validade, e por isso, alguns donos orientam os frentistas a abastecer com essa para zerar o estoque e atingir maiores lucros, lesando o consumidor.

O delegado ressalta, também, que ninguém pode ser impedido de abastecer com o combustível comum mais barato, inclusive as viaturas dos órgãos públicos. Este golpe constitui lesão ao erário público. Tais condutas são crimes contra o consumidor (artigos 66 e 67 do Código de Defesa do Consumidor) e ainda caracterizam fraude no comércio (artigo 175, II do Código Penal).

Outro alerta feito pelo delegado Eduardo Paixão, é sobre a diferença de valores de acordo com a modalidade de pagamento, o artigo 1 da Lei 13.455/17 admite essa variação, mas é proibida a diferença por conta da bandeira dos cartões. “Os valores para cartão devem ser idênticos, independentemente do nome da bandeira do cartão, proibido o privilégio para qualquer bandeira“, detalha.

O consumidor que for vítima desses golpes, deve exigir o pagamento do valor exato do combustível que solicitou do frentista, junto ao gerente do posto. Se os mesmos se negarem, o recomendado é que a pessoa exija a nota fiscal do pagamento, faça provas com áudio ou vídeo e formalize a denúncia na Decon, mediante o registro de ocorrência na delegaciainterativa.am.gov.br e também no Procon no fone (92) 3215-4012.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print