Petrobras despenca e Bolsa cai mais de 4%; dólar opera em alta, a R$ 5,526

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print

dólar comercial operava em alta de mais de 2% na manhã de hoje e a Bolsa brasileira operava em queda, refletindo a cautela dos investidores depois que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) indicou o general Joaquim Silva e Luna para assumir os cargos de conselheiro e presidente da Petrobras, em meio a temores de interferência.

Por volta das 11h (de Brasília), a moeda norte-americana subia 2,61%, vendida a R$ 5,526. O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Na sexta-feira (19), o dólar caiu 1,02%, fechando a R$ 5,385 na venda.

Já o Ibovespa, principal indicador da Bolsa de Valores brasileira, operava em forte queda. No mesmo horário, o índice tinha desvalorização de 4,8%, a 112.744,34 pontos. Na sexta-feira (19), o índice caiu 0,64% aos 118.430,53 pontos. Na semana passada, acumulou queda de 0,84%.

Ações da Petrobras chegam a cair 18%

Pouco antes das 11h, os papéis preferenciais da Petrobras, com prioridade na distribuição de dividendos, operavam em queda de 17,64%, enquanto as ações ordinárias da Petrobras, com direito a voto em assembleia, tinham perda de 18,52%.

Troca de comando

Bolsonaro confirmou na sexta-feira os rumores de que trocaria o comando da Petrobras. Em post publicado em suas redes sociais, ele comunicou a indicação do general Joaquim Silva e Luna para substituir o atual presidente da empresa, Roberto Castello Branco.

A escolha do governo, porém, precisa ser aprovada pelo Conselho de Administração da Petrobras, e a companhia informou, após o anúncio feito por Bolsonaro, que o mandato de Castello Branco se encerra no dia 20 de março.

Silva e Luna era diretor-geral da Itaipu Binacional e já foi ministro da Defesa durante o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB), em 2018.

No sábado, Bolsonaro também disse que vai “meter o dedo na energia elétrica”, e que, “se a imprensa está preocupada com a troca de ontem, na semana que vem teremos mais”.

Privatização

Hoje, o general Joaquim Silva e Luna disse que não discutiu e não tem uma opinião sobre uma eventual privatização da companhia.

“Não conversei em nenhum momento (com o governo sobre o assunto)… então não me considero em condições de fazer nenhum juízo de valor”, afirmou ele, durante entrevista à Rádio Bandeirantes.

.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print