Presidente do Grupo Vila Galé aposta no turismo como motor do pós-pandemia no Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print

Com efeito, a crise sanitária do coronavírus levou vários setores a terem quedas econômicas brutais, estima-se que o setor de hospedagem foi atingido com perdas que chegam a 90%. De acordo com pesquisa realizada pelo FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil), a abertura de 60% dos hotéis no Brasil se dará nos próximos meses e, com a retomada gradual das atividades, haverá uma movimentação do setor no País, já que muitas pessoas irão buscar por viagens e passeios para compensar o distanciamento social da primeira metade do ano. “Temos que nos preocupar também com a economia, se não curamos da doença e morremos pela cura”, avalia Jorge Rebelo, presidente do Grupo Vila Galé, de Portugal, maior grupo hoteleiro europeu no Brasil em live com a Revista IstoÉ.

Jorge Rebelo de Almeida não é um negacionista da doença, pelo contrário ele acredita que não se pode menosprezar a transmissibilidade nem tampouco mitificar o infortúnio como uma gripezinha, ele defende que a saúde das pessoas está em primeiro lugar; porém acredita ele que não se deve dramatizar a pandemia.

É sabido pelo segmento de hotelaria que nem de longe a procura pelos serviços relacionados ao turismo nos próximos meses será a mesma de antes da pandemia. Os principais motivos para esse cenário é que a crise econômica trazida pelo coronavírus fez cair muito a renda de uma boa parcela dos brasileiros e o desemprego gritante. “Se deixarmos de investir, seguramente vamos destruir a economia brasileira. A retomada do crescimento passa pelo turismo”, afirma.

Há mais de três décadas no ramo da hotelaria, Rebelo de Almeida avalia que a economia no Brasil voltará a crescer em breve, mas que são urgentes a tomada de decisões econômicas como a reforma tributária. Segundo ele, “o Brasil tem os maiores tributos do mundo.” No entanto, ao contrário de seus pares brasileiros, o empresário português – que afirma que não é adepto do liberalismo econômico – mira no bem-estar social dos brasileiros para reclamar da alta taxação tributária. Cobra-se muito e não entregam nada. “Temos que melhorar a vida das pessoas. Ainda está muito a fazer no Brasil, como, por exemplo, na habitação social, na educação e na saúde do povo. Precisa-se de reformas drásticas.”

Na live, ele faz críticas aos valores cobrados de IPTU em algumas cidades e à infraestrutura do País, como saneamento básico, condições das estradas e de locomoção, apesar de elogiar os aeroportos. Para ele, o País tem que atrair o turista do exterior, que sofre com o alto custo da mobilidade interna e a questão da segurança pública. “O transporte aéreo é escasso é caro e uma imagem de insegurança tremenda.” Ele acredita que o momento do turismo no Brasil, assim que superado o problema da pandemia, é muito especial, em função da desvalorização do Real. “O Brasil ficou muito barato para o turista estrangeiro. Porém, ninguém visita um lugar inseguro. No pós-pandemia vamos relançar o Brasil”, diz.

No bate-papo, Rebelo de Almeida aponta o dedo para a Esplanada do Ministério e diz que o Brasil precisa atrair não só turistas estrangeiros, mas criar condições para valorização do capital internacional; leia-se empresas que não buscam a especulação financeira, mas que vão investir em riquezas palpáveis, tangíveis. Na mesma toada, ele afirma que o País não deve tampouco pode atrair quem visa o turismo sexual. “O Brasil tem um mercado internacional que qualquer turista estrangeiro fica encantado. A simpatia dos brasileiros muitas vezes superam os problemas de infraestrutura”, conclui.

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print