‘Primogênita’ da Amazônia, Belém comemora 405 anos com esperança de dias melhores

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print
A cidade, assim como a A cidade, assim como a "irmã" de 351 anos, Manaus, é um dos principais portais para a Amazônia. (João Paulo Guimarães/Revista Cenarium)

*João Paulo Guimarães – Da Revista Cenarium

BELÉM – Belém do Pará, conhecida carinhosamente como a cidade das Mangueiras, comemora nesta terça-feira, 12, os 405 anos envolta em uma aura de positividade e certeza de dias melhores. A cidade, assim como a “irmã” de 351 anos, Manaus, é um dos principais portais para a Amazônia.

A REVISTA CENARIUM entrevistou o historiador da Universidade Federal do Pará (UPFA) e doutorando em Educação, Cotidianos e Redes Educativas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Ataíde Junior, sobre pandemia, patrimônio histórico e, ainda, qual seria o presente ideal para a capital paraense.

blank
Vista aérea da praça da República e Teatro da Paz. (João Paulo Guimarães/Revista Cenarium)

“Belém chega à idade de 405 anos em constante transformação, tal como a sua população. Ao longo desses quatro séculos, em que pesa toda as tentativas de apagamento dessa memória, é nesse contingente populacional diverso que reside a sua força”, comentou Ataíde.

Resistência

O historiador ressalta a cidade vai além da memória lusitana impressa nas obras arquitetônicas, abraçando as diversas nações indígenas e etnias negras da Costa da África. Além de árabes, libaneses e japoneses que também imprimiram suas marcas nas estruturas de Belém.

“Isso a tornou forte e capaz de resistir a muito. Prova disso, foram as epidemias que já atravessou no passado, como a de varíola em 1850 e a de Influenza em 1918, ambas causando muitas baixas, especialmente entre as camadas mais pobres”, ressaltou Junior.

blank
Ataíde Junior fala sobre pandemia, patrimônio histórico e ainda, qual seria o presente ideal para a capital paraense. (Reprodução/Arquivo Pessoal)

Legado

Ataíde Junior, que também é mestre em Saberes Culturais e Educação na Amazônia pela Universidade do Estado do Pará (Uepa), também destaca a importância histórica da capital paraense na dinâmica geopolítica da Amazônia Legal.

“A força cultural que Belém traz como legado para o Brasil, talvez seja o presente mais desejado nesse aniversário em tempos de pandemia, seja a salvaguarda dessa população. Com acesso à vacinação ampla e eficaz contra a Covid-19”, desejou o historiador.

blank
Dona Coló no ver o peso. A feirante receberá a Medalha do Mérito Francisco Caldeira Castelo Branco, a mais importante comenda de Belém. (João Paulo Guimarães/Revista Cenarium)

Diálogos

O historiador e secretário da Fundação Cultural do Município de Belém (FUMBEL), Michel Pinho, agora é responsável pelo fomento e disseminação da arte, da cultura, do esporte e do patrimônio histórico e conta quais os votos de felicitação deseja para a jovem aniversariante.

blank
Michel Pinho, agora é responsável pelo fomento e disseminação da arte, da cultura, do esporte e do patrimônio histórico de Belém. (Reprodução/Facebook)

“Acho que o melhor presente para Belém de 405 anos é pensar na possibilidade de diálogo, de intervir na cidade dialogando com os mais diversos setores. Sejam eles de produção literária, audiovisual e poética, porque o poder público, antes de tudo é um interlocutor da sociedade com aquilo que se pretende para uma cidade melhor”, explicou Pinho.

Sob nova administração

A Capital paraense ainda vive a pandemia de Covid-19, assim como o resto do país, os habitantes possuem um sentimento de esperança que antecede à vacinação, que pretende finalmente trazer segurança, bem estar e saúde. Palavras que há muito tempo não são usadas para definir a realidade vivida no Brasil.

blank
Vista da feira do Ver o Peso. a partir do Forte do Castelo, em Belém do Pará. (João Paulo Guimarães/Revista Cenarium)

Belém também vive uma mudança no Executivo municipal após a eleição de Edmilson Rodrigues (PSOL), que já governou a cidade duas vezes no passado e agora retorna para mais um mandato. Rodrigues instituiu o programa de renda mínima “Bora Belém”, que vai garantir até R$450 às famílias que mais precisam.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print