Seas promove Natal para refugiados venezuelanos por meio de peça natalina no abrigo do Coroado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print
Foto: Kerolyn Leigue

Uma peça encenada por refugiados venezuelanos sobre o nascimento de Jesus marcou a abertura da festa de confraternização promovida pelo abrigo do Coroado, situado na zona leste de Manaus, na manhã desta terça-feira (22/12).

Sob a coordenação da Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas), o local atende atualmente 23 famílias que somam 46 abrigados, entre crianças, adultos e idosos.

A celebração natalina iniciou às 10h30 com a peça de Natal, cuja dramatização aconteceu na língua espanhola. Em seguida houve a distribuição de presentes para as crianças e um almoço com alimentos típicos da época, como peru e frutas.

Presente na confraternização, a secretária adjunta da Seas, Andréa Cidade, disse que a ideia é fazer com que essas famílias, que estão fora de seu país de origem, se sintam acolhidas, como se estivessem em casa.

Segundo a dirigente, a festa teve o apoio da comunidade, dos colaboradores que ajudaram na doação de brinquedos para que os venezuelanos tivessem uma festa completa, regada a brincadeiras e um almoço especial.

“Depois das dificuldades vivenciadas neste ano, nada melhor do que momentos como esse”, assinalou a secretária.

Visualização da imagem
Foto: Kerolyn Leigue

Empenho

A diretora do abrigo, Priscila Cavalcanti, disse que as famílias venezuelanas se juntaram aos servidores da Seas, lotados no local, na organização da festa, desde a limpeza do salão, ornamentação e na produção das comidas.

“Eles também se empenharam na parte de dramatização da peça, das roupas usadas e até na escolha das músicas cantadas pelos participantes”, informou.

O abrigo do Coroado conta com uma equipe técnica formada por assistentes sociais, psicólogos, pedagogos e nutricionistas, além dos servidores da parte administrativa, cozinheiras e motoristas.

O diretor do Departamento de Proteção Social e Especial (DPSE), Keyne Mendonça, enalteceu o trabalho feito pela equipe da Seas e abrigados, ressaltando a importância dessa interação, o que mostra o comprometimento do poder público na ajuda aos refugiados venezuelanos, que atualmente se encontram numa situação de vulnerabilidade.

“Estão precisando do nosso apoio e carinho, logo, estamos retribuindo”, frisou.

Novas oportunidades

O venezuelano Ruben Merchan, 69 anos, há dois meses está no abrigo a espera de uma oportunidade de emprego, seja como professor de línguas ou na área de estoques de mercadorias, da qual tem conhecimentos. Como a esposa ficou na Venezuela, precisa urgentemente trabalhar para mandar ajuda financeira para ela.

“Estou sendo muito bem tratado aqui no abrigo, onde encontrei, além de dormida e alimentação, pessoas amigas e que estão tentando me ajudar a encontrar um trabalho”, informou.

Por sua vez, o venezuelano Alberto Garcia, 33 anos, também está no abrigo, há uma semana, juntamente com a esposa e um filhinho, onde foi recebido pela equipe da Seas. Eletricista, na área de manutenção e reparação de instalações elétricas, Alberto está à procura de trabalho na atividade, mas também aceita trabalhar em outras áreas que possa lhe render dinheiro para cuidar de sua família.

“O abrigo é excelente, mas preciso encontrar alternativas para me manter fora daqui com minha família”, sintetizou.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print