“Vou apoiar qualquer coisa contra o Bolsonaro”, diz Felipe Neto

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print

Um dos principais opositores do governo Bolsonaro no ambiente digital, o youtuber Felipe Neto, afirmou que, em 2022, pretende ir “para a luta como nunca antes na vida”. Ele deseja impedir uma reeleição do presidente Jair Bolsonaro. Para o influencer, o “Brasil precisa derrotar o bolsonarismo como os Estados Unidos derrotaram o trumpismo”, após a vitória do democrata Joe Biden, segundo a coluna do Portal Metrópoles.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o youtuber falou sobre o indiciamento pela Polícia Civil do Rio por supostamente divulgar material impróprio para menores. Atribuiu a investigação por corrupção de menores a “pressões” que, segundo ele, passou a sofrer após se declarar como opositor do governo federal.

“Todo jurista que analisou tecnicamente o indiciamento ficou em estado de choque. Juízes, advogados criminais, procuradores. É só qualquer um procurar pela internet para ver a reação. Eu fui acusado de “corromper menores” por um delegado que não mostrou qualquer menor corrompido como prova de sua investigação”, afirmou.

Sobre o pleito de 2022, ele declara oposição ao presidente atual. “Vou apoiar qualquer coisa que chegue ao segundo turno contra o Bolsonaro”, declarou Neto ao Estadão. “Seja (Luciano) Huck, (Fernando) Haddad, Lula, Marina (Silva), Ciro (Gomes), (João) Doria ou Tiririca.”

Neto tem 40 milhões de assinantes em seu canal no YouTube e 11 milhões de seguidores no Twitter e tornou-se uma voz influente também na política. Fez um editorial e um vídeo para o New York Times no qual critica Bolsonaro e entrou na lista da revista Time como uma das personalidades do ano em 2020.

“Em 2022, vou para a luta como nunca antes na minha vida. O Brasil precisa derrotar o bolsonarismo como os Estados Unidos derrotaram o trumpismo.”

A respeito da investigação por corrupção de menores, ele comenta que o Ministério Público do Rio devolveu o procedimento, com o indiciamento, à Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática para diligências.

“Recebi essa informação com enorme satisfação, pois o promotor não aderiu à precipitação do delegado, ao contrário, determinou que fizesse as investigações que não fez, e inclusive, em sua manifestação, chamou a atenção para o fato de que ainda irá apurar para analisar se há crime ou não. Estou absolutamente tranquilo e confiante que o Ministério Publico vá compreender que esse indiciamento é um absurdo”, diz.

Sobre as ameaças que tem recebido, ele afirmou que tem “um forte sistema de segurança implementado”, para ele mesmo e para toda a sua família.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on email
Share on print